sábado, fevereiro 17, 2007

Re(vi)vendo ... "O Cortiço"


Hoje dei corda aos sapatos e rumei em direcção à Rua das lajes … senti de súbito saudades dos meus antigos vizinhos e aproveitei para rever o cantinho, onde se situa o que foi o meu “Cortiço”.
Embora o meu actual casebre fique apenas a cerca de 800m, é muito raro atravessar a estrada, a pé, e palmilhar as ruas da aldeia até ao outro lado, oposto àquele onde actualmente moro. Hoje foi a excepção!

Da minha antiga quintinha ("A Quintarola" era então a 2ª opção para o nome, aquando da sua aquisição), restam algumas árvores de fruto:
a velha nogueira e alguns limoeiros, o velho barracão da ferramenta e o muro, onde se mantém, intacta, a placa de azulejos ainda exibindo o seu nome original, a qual foi por mim encomendada no artesanato local e igualmente foi por nós ali colada há cerca de 20 anos!

O actual dono, procedeu à sua ampliação e remodelação, apresentando actualmente um estilo ligeiramente rústico e sóbrio, sem que tenha perdido um certo encanto melodioso que se adivinha seja adjacente ao próprio espaço em que se insere.
Com as saudades que ainda me desperta, após tantos anos, não excluo a possibilidade de um dia tentar "reaver" a minha antiga toca ... "O Cortiço"

18 comentários:

Laura disse...

Olha que linda quintinha mana..e que belo nome..O cortiço..A gente anda sempre a mudar como os ciganos..eu então se pudesse já tinha mais de sei lá quantas casas, adoro tudo e quando gosto, sonho, sonho, mas demora..agora ainda não parei de sonhar com a casinha das resteas de sol..essa tá-me atravessada e mais dia menos dia, ela virá..e ainda iremos lá festejar.. Agora queres voltar atrás? mandar quem lá mora pa onde? ahhh pensasses melhor ehhhhh, mas quem sabe, um dia estás lá de novo, mas acho a tua casa actual muito melhor, e talvez mais perto do transporte que apanhas.... Jinhos e gostei de ver o teu ex cortiço..

Pascoalita disse...

Mana, o "cortiço" era o meu refúgio de fins de semana e férias.
Passámos ali bons momentos durante cerca de 7 anos.

Laura disse...

Atão arranja-o e vai pa lá de férias e eu vou também, levo o mê manelito o meu ão ão, enfim, mudo-me pa lá e nem era eu que queria uma casinha asism baixa e lindinha simples..Pois já tenho..ós pois vai ver quanto pedem por ela..o nome eu deixo ficar que é lindo....

africana disse...

Tambem gosto deste tipo de casa, rasteira, meia rustica,e o nome esta bem de acordo.So falta mesmo é pintar o muro, muito gira sim senhor.

Pascoalita disse...

Pois é ... apesar de adorar o sítio, desfiz-me dela por querer uma maior k me permitisse ampliar subir.
Agora, farta de subir e descer a escada para o 1º andar desta onde moro, tenho saudades da minha antiga casa rasteirinha. Digam lá se o ser humano não é um constante "ser insatisfeito"

Laura disse...

Claro que somos insatisfeitos, sempre..é normal no ser humano, mas quem se adapta ao que tem e nem sonha subir mais..ou é acomodado, ou sonha pouco...ehhh eu ainda quero aquela casinha da letra das resteas de sol....

o alquimista disse...

No ecanto perdi-me na tua quinta...

Doce beijo

adrianna disse...

Uma bonita casinha ... adequada para palco dum belo baile de máscaras nesta terça feira carnavalesca.
Bora lá???

Laura disse...

Bora lá marina (danniela) ehhh eu vou de pijama e tudo e mesmo assim ainda dou bailarico. Menina és muito mechidinha, pareces um pouco mais nova que eu, ams genica tens pa dar e vender, acertei moça? ehhhhhhhh não tens muitos menos que eu mas mais não tens de certezinha.. Bora lá pó baile, e se soubesses os lindos bailes que tinhamos lá em Luanda..ehhh o Marius era meu vizinho de bairro, esse sim conheceu tudo mais a fundo, ali sim eram bailes nas casas dos amigos, as famosas farras, que coisa boa para quando se é jovem, e menos jovem..Aqui metem-se nas discotecas e nem presta, lá era até o dia nascer, quase sempre, mas os velhotes nem me deixavam e há meia noite, casa..que remédio, eram farras ao ar livre o tempo era uma maravilha..Será que conheces áfrica?

adrianna disse...

Laura, não, não conheço África, mas tenho esperança de conseguir um lugarzito nessa barcaça enorme onde um dia embarcarás com os teus amigos. Aí, seguir-vos-ei e tornarei real um sonho antigo!
Beijo

africana disse...

Realmente os nossos bailes em África eram uma maravilha!
Estava a lembrar-me de uma vez que, assim de repente, decidimos ir da terra onde estudavamos,Sá da Bandeira(um planalto com clima temperado), eu o meu namorado,posteriormente marido,no seu carro, mais uns amigos, até à terra onde este morava, Pereira D'Eça( cidade perto da fronteira com o Sudoeste Africano, com clima desértico),uma distância de 380,400km acho eu..Na viagem,o vidro da frente partiu-se com o ressalto de uma pedra.
Embora o tempo fosse quente, com o carro em movimento o vento quaze nos arrancava do assento e..no regresso resolvemos colocar um plástico que fizesse as vezes do vidro.Mas a vizibilidade era quaze nula e resolvemos fazer-lhe um buraco, o buraco lentamente foi foi aumentando(achamos que o "pendura"devia ajudar o condutor na condução e..)Entretanto desaba a chover..Acho, acho não, tenho a certeza, hihih, que até a roupa interior se torcia tal a inundação que ia lá dentro, até os que vinham atrás estavam todos molhados!Ao passarmos por uma povoação, ouvimos o barulho de música vinda de um baile..já estais a ver para onde foi aquele bando de malucos, todos ensopados, a pingar mesmo??Claro!Deixamos o carro debaixo de um telheiro,todo aberto para ir secando,entramos no dito baile,dançamos até nos apetecer,nos entretantos a roupa já tinha secado, o carro também e na mesma entramos no carro e seguimos viagem!E acreditam que ninguém se espantou nem com a nossa entrada nem com o nosso aspecto?!ahahaha, pois é verdade!Bons tempos..

africana disse...

Ai é? Vamos de barcaça?Assim tipo arca de Noé?Olhem lá as espécimes escolhidas!ahaha

Pascoalita disse...

Grande aventura essa, nina africana! É mesmo caso para dizer "Bons tempos"!
A vossa memória deve abarrotar de belíssimas e ricas recordações. Isso sim, era vida!

Laura disse...

Verdade verdadinha ó ninas..A gente entrava no baile e se nem conhecessemos na havia mal, desde que não fizessemos asneiras claro..havia semrpe aquela hospitalidade dos mais pobres a dar o pouco que tinham. Belos tempos sim, e tenho muita pena que as coisas aqui sejam assim, mas um dia a minha casinha há-de aparecer como por artes de magia e vamos todos pa lá embalar uma rebita umas danças de ventre ehhh que as cotas ainda sabem sarapintar ao rabo ehhhhhhhhhh..

Adrianna, claro que te levo, ou achas que não,se se proporcionar, eu levo o Anjo o jotinha o mestre splinter o gilinho o alquimista se quiser deixar a ilha por uns tempos também o levo...enfim aqueles de quem gosto vão todos por ali, vamos romper os mares afora, vamos esperar pelas marés, enfim......
Africana já não é preciso povoar o mundo e uma arca de Noé mais diversificada fará falta..precisamos de despovoar o mundo que tem gente a mais e nem presta pa nada ehhhhhhhhhhhhhhhhh..

Pascoalita disse...

xiii que grande farra faremos todos juntos eheheh
Só espero k uma certa nina k costuma andar por aqui não se lembre de sonhar k é canibal ou algo do género, se não acabamos todos nos anjinhos eheheheheh
Nina adrianna, num zanga não? O sonho comanda a vida ... sonhos lindos, sempre
1 bjinho

Ahlka disse...

Pascoalita, a vida ensinou-me que as coisas se vivem, não se revivem.
Sonha com o que quiseres, excepto com o Cortiço :)*

Pascoalita disse...

Alhka, tb já tive lições de vida suficientes para titar a mesma conclusão, mas por vezes sabe tão bem deixar-me iludir :-)
Claro que nada se revive. Devíamos estar bem conscientes disso e vivermos intensamente cada momento agradável que a vida nos proporciona. Mas sempre nos esforçamos por isso e eu cometo o erro de ficar mto agarrada ao passado.
1 jinho

Laura disse...

Agarradas ao passado, somos quase todas, se não é casas é isto ou aquilo, enfim é a saudade do que se gostou, que não temos saudade do que nem prestou..