domingo, setembro 14, 2008

Arte no Metro em Lisboa



Há muito que magicava nisto ... fotografar as amazonas que na estação do Metropolitano do Campo Pequeno, em Lisboa, parecem exibir-se sem que alguém repare nelas.

Há dias, pela manhã, interrompi a viagem e lá fiz o gosto ao dedo ...

































Alguns dos belíssimos trabalhos embutidos em mármore, alusivos à "Festa Brava", que podem ser observados numa das plataformas, da autoria do Escultor Francisco Simões.


34 comentários:

Teté disse...

Por acaso é uma grande falha minha, que aqui há uns anos as estações foram todas remodeladas com obras de grandes pintores/artistas plásticos, que desconheço de todo. Não ando de metro desde a adolescência, foi lá que percebi que era claustrofóbica...

Em abono da verdade também nunca precisei muito, sempre arranjei autocarros alternativos (mais tempo, é certo, mas pelo menos ali não empanicava, que a "figurinha" é triste...) Um dia ainda tenho de dar uma volta pelas estações para ver as obras de arte lá patentes. A um Sábado à tarde ou coisa, para não levar um banho de multidão!

Mas já vi duas aqui no teu cantinho, de modo que essas passo, eh, eh, eh! Esta dos cavalos está bem gira, dizem que a das laranjeiras também. Quem sabe, lá mais para o Inverno... ;)

Jinhos, nina!

o que me vier à real gana disse...

verdadeiras galerias e arte!

Laura disse...

Onde tá a cabeçorra do bixo? bicho? só vejo um corno pintado metido pra dentro, ehhh deve ser como muita gente que conhecemos, metemos os cornos pra dentro pra na se ver...ehhhhh acabei de jantar, bebi dois copitos e deve ter feito mal à minha cabecinha...

xistosa - (josé torres) disse...

A Laura necessita de óculos ... pois eu vejo dois cornos nas "amazonas", como diz na sua descrição da arte no metro.
Só queria saber como é que descobriu que as duas últimas fotos são de amazonas?
Não leve a mal eu perguntar-lhe.
É mesmo inocente a pergunta.

O outro também dizia que não era gay.
O namorado dele é que era!
Uma boa semana.

Zé do Cão disse...

Cá vem o "men", Este post está giro, mete cornos, cavalos (para a Laurinha, Cabalos)marmores não polidos, toureiros e amazonas(?). Nos comemtarios, fala-se de namoro e gays.
Pois eu conheci um casal (dava uma história de faca e alguidar, daquelas vendidas em folhetins porta a parta, uma vez por semana, como se usava quando eu era miúdo)que namoraram uma data de anos e veja-se casaram pela igreja
(o noivo era muito católico) tendo ele respeitando a virgindade da "nena". A lua de mel foi na madeira, as famílias de ambos foram ao cais da Rocha Conde de Óbidos, despedirem-se dos casadinhos de fresco, digo-vos que foi uma despedida linda, com lenços a acenar e tudo (parecia a despedido dos soldados para a guerra dos Ultramar, ou colónias, como queiram chamar). No primeiro dia, com a emoção da viagem e os efeitos de enjoar, "quase, quase que fizeram" aquilo que eu não admitia não terem feito já. O certo é que até chegarem ao Hotel, no Funchal, nunca passaram do quase, quase.
Depois foi a desfrutar da ilha, o andar nas cadeirinhas de verga, visitar Câmara de Lobos, Maxiço, Corral de Freiras, tudo lindo, tudo bonito, mas que delicia, que lua de mel.E quase, quase.
Pela manhã a noiva foi só, tomar o pequeno almoço no salão, dado que o noivo com as emoções e as alturas das montanhas, ficou no quarto só, pedindo o pequeno almoço, servido ali.
Quando a noiva, regressou, repleta de felicidade(?)dá de caras com esta cena no quarto.
O seu querido, o seu mais que tudo, o seu adorado, estava nu em posição de apanha cavacas, como que procurando algo que tinha caído ao chão, enquanto o criado que lhe tinha levado o pequeno almoço, com as calças descaídas sobre os seus próprios sapatos
com as suas partes intimas, encostadas ao rabinho (a dar a dar)
do noivo, fazia movimentos estranhos que a noiva nunca tinha visto, lido ou sonhado.
A historia teve a sua apoteose final em Lisboa, num escritório de advogado, que estudou a maneira de anular o casamento em vez de divorcio, porque a noiva tendo ficado em "jejum" não se considerava casada.
ahahah....
Esta história, triste, arrepiante, fez-me chegar aos olhos uma lágrima nostálgica, que ao cair no alguidar de esmalte, fez um barulho
tão solitário, que senti um vazio dentro de mim, deixando-me adoentado por mais de 3 dias.
Beijocas

Pascoalita disse...

Teté,

Também eu,por desleixo, não conheço todas e mesmo as que conheço nem sempre páro para olhar com olhos de ver. Andamos sempre em correrias loucas ...

Eu gosto desta arte moderna de contornos mal definidos que nos obriga a reflectir e a exercício mental eheheh

A outra plataforma tem motivos igualmente interessantes, as quais tenciono também postar.

Durante mais de 2 décadas tive um horário desfasado, pelo que nunca o usava em horas de ponta; actualmente já não é tanto assim (saio às 17,30) e é excatacmente para evitar esse mar de gente que entro ao trabalho com mais de 1 h de antecedência.

Não sofro de claustrofobia, mas pelo menos uma vez já experimentei essa sensação, sendo necessário respirar fundo e algum esforço para me controlar.

Isto é apenas uma amostra minúsula! Vale a pena ver todas as obras ao vivo e a cores.

Jinhos

Pascoalita disse...

o que me vier à real gana,

Há de facto coisas bonitas, nós é que nem sempre estamos disponíveis para reparar nelas.

Pascoalita disse...

laurita,

Este touro não é dos cabeçudos, deve ser analfabeto eheheh

Mas tem 2 cornitos sim. Já não sabes contar? eheheh

Pascoalita disse...

Zé Torres,

ahahahahah ahahahahah nino, quando escrevi o título, tencionava colocar todas as amazonas (falta aqui pelo menos uma que não coloquei para evitar polémicas eheheheh) Imagina que uma delas está em pé, de costas encostada ao cavalo, apenas com o fato que Deus lhe deu ahahahahahah

"Só queria saber como é que descobriu que as duas últimas fotos são de amazonas?"

Oh Zé Torres, mas que falta de perspicácia ... isso nem parece teu, homem! Então não se vê logo? Pelos trejeitos da toureira e pela minúscula cabela e ausência de cornos da morenaça", só podia ser ahahahahahah

"Não leve a mal eu perguntar-lhe.
É mesmo inocente a pergunta."

ahahahahahahahah ahahahahahahahah
Claro, uma perguntinha inocente, talqualmente!

Pascoalita disse...

ahahahahahahahah ahahahahahahah ahahahahahah ahahahahahahahahah

Já li o Zé do cão!!!! Mas vou ter de ficar por aqui e começar a bulir ... o pessoal vai chegando ao meu P.T (posto de trabalho) e olha-me desconfiado, julgando que pirei de vez (os doidos não riem sem razão aparente? ahahahahah)

Mais logo voltarei à antena porque este último comentário tem de ter retorno. Mas até, nino, vai escrevendo essa história que os outros leitores também merecem riri eheheheheh

Pascoalita disse...

Zé do Cão,

Agora fizeste-me lembrar uma estória macabra que ouvi qdo era garota e que chocou toda a gente na aldeia:

Começa da mesma forma, a lua de mel decorre nos mesmos moldes, mas ao contrário da que descreves em que termina, imagino eu, num gozo danado para uma das partes (e que gozo eheheh), na que eu ouvi, o noivo acaba pendurado numa oliveira.

O coitado regressara da vida militar no ultramar onde tinha contraído uma doença venéria na sequência da qual teria perdido o "irmão gémeo" ... retomara o noivado, mas faltara-lhe coragem para abordar o assunto e o resto adivinhas, né???

Vê lá se não valia mais que tivesse queda pra andar de empurrão eheheheheh eheheheh

Pascoalita disse...

"A historia teve a sua apoteose final em Lisboa, num escritório de advogado, que estudou a maneira de anular o casamento em vez de divorcio, porque a noiva tendo ficado em "jejum" não se considerava casada ahahah....
Esta história, triste, arrepiante, fez-me chegar aos olhos uma lágrima nostálgica, que ao cair no alguidar de esmalte, fez um barulho
tão solitário, que senti um vazio dentro de mim, deixando-me adoentado por mais de 3 dias."

Oh zezito,

Fiquei com uma dúvida. Esclare-me como se eu fosse muito burra, ou como se fosse a cusca endiabrada a perguntar ...

- Essa lágrima teimou em cair por comiseração pelo jejum da noiva;

- pelo facto de não estares no lugar do noivo;

- condoído ao pensar no pobre moço, nuzinho da silva, eventualmente num dia de Inverno, já que até referiste ser uma "cena arrepiante";

- ou a lágrima continha uma pontinha de raiva ao lembrares-te daquele ditado: "dá Deus dar nozes a quem não tem dentes" ???

Olha que a coisa não era pra menos eheheh

Como se preparasse o melhor cabrito e o meu amigo fosse vegetariano ahahahahah

Já agora sabes como se chamava a noiva??? Teria nome de flor??? heheheheheheh

jokinhas

Zé do Cão disse...

ao 1º comentário, digo-te que seria melhor empurrar a lambreta dos pobres. Era a mesma coisa, mas com um cenário mais condizente para a época.

ahahah......

Zé do Cão disse...

Sobre o 2º é assim.
Eu tive conhecimento desta história duma maneira nada vulgar. Contada pela boca da noiva perante mim e o seu advogado de quem sou muito amigo.
A noivaça (boa como o milho)de 21 anos. --------Parei porque tive de limpar a baba que me caía da boca) julgando que eu também era advogado contou-te tim, tim por tim tim talvez na esperança de eu dar a minha opinião. Ela contou tudo e com tantos pormenores que quando chegou àquele dele ter o rabinho a dar a dar, eu acrescentei.
Pio,pio, pio como a cantiga dos passarinhos.
Houve gargalhada geral (3).
A lágrima também ela deitou, confessando que tinha gostado muito dele (rapaz)e eu a pensar em dar-lhe consolação.
Enfim... Foi por Deus dar nozes a quem não tem dentes.

Beijocas

Pascoalita disse...

ahahahahahahahaha ahahahahahah ahahahahahahh

És demais!!! Imagino o tamnho do reportório ahahahahahah

Acredita que me é facílimo imaginar a cena ... tipo a pombinha ferida na asa, perseguida pela raposa que é ajudada por 2 passarões prontos a ferrar-lhe o bico (tou a brincar eheheheheh)

Como eu me ri com vontade ahahahahah ahahahahahahah

jinho

Zé do Cão disse...

Daqui, deste encontro no escritório do Advogado, sito na 5 de Outubro e prof. catedrático, digo-te que tirei uma ilação.
Juro-te que não lhe dava uma bicada, comia-a toda, depois de a besuntar com manteiga extra fina de 1ª nos pontos mais apetecidos. Aquele rabeta do caraças, cometeu um sacrilégio sem perdão. E era o gajo católico.
Beijinhos

Zé do Cão disse...

Isto da gente meter o nariz, aqui e acolá, dá este resultado.

Com que então, estás a pensar mais o maridão dar um salto à Régua na subida do Douro. É bonito e vale a pena 1 vez. Se for ida e volta no barco, segundo a minha opinião é maçador.Já fiz 4 vezes, mas sempre com volta de comboio.
Nunca fiz até Barca d'Alva, dizem que é extraordinário.
Beijocas

Laura disse...

Amen, Nossa Senhora que cortejo de palavras que nem vale a pena dizer mais nada e a pobre teve de ir à Mdeira para receber a lauta noticia logo ali, e assim nem foi preciso falar, palavraS PARA QUÊ..AO MENOS NEM FEZ COMO A MIM QUE AOS 18 ANOS NEM SABIA QUE O ESCADOTE LEVANTAVA EHHHHH E NO BAILE D AUNIVERSIDADE DANCEI, DANCEI E NO FIM AINDA DISSE CÁ PRA MIM; FOSGA-SE, ESTE VEM PRÓ BAILE COM O PORTA CHAVES MAILAS CHAVES TODAS DE CASA!..EXCUSADO SERÁ DIZER O QUE ERA!...AHHHH
pobre noivinha que forma tão desumana de saber as coisas, e o palermoide neme xperimentou, nanja que eu aos 16 anos aprendi o que eram os paneleiros e da forma que me explicaram disse eu; ná ná o meu pai se ele for paneleiro sabe, o meu pai sabe de tudo ehhhhhhhhhhhhhhhh...

Zé do Cão disse...

Luarinha, o gajo que dançou contigo, não seria mecanico de automóveis e trazia no bolso, chaves de de parafusos (que aí se chama, desandador) macaco e tudo, de levantar os pópós?
É uma hipótese a considerar!

ahahahahahahah.........

Beijocas

Pascoalita disse...

Laura,

Zé do cão,

Custa-me a crer que tenhas tido a coragem de deixar a queixosa mocita na ignorância! Tinha-te como pessoa prestável e amigo de ajudar. Juras mesmo que não lhe deste ao menos umas liçõezitas??? Nem sequer teóricas??? ahahah

Hummm cá pra mim devias te-la ensinado a ir aos figos ... calhar era do norte e não conhece as figueiras rasteirinhas algarvias eheheheheh ras rasteirinhas ahahah


Laurita, receio que a "piquena" não tenha ficado esclarecida, sabes?

Aqueles 2 ninos que a ouviram lamentar-se foram pouco humanos, seus marotos!!! Bem podiam ter esclarecido a mocinha na hora, fazendo como aquele médico que recebeu um casalito de fresco cujo marido indagava como fazer na 1ª noite ... o marido ensinou-o praticando para ele ver ahahahah

Pascoalita disse...

Zé,

O passeio é daquelas firmas dos 300, sabes? ahhahahah

Tenho o folheto algures, é de 23 a 25 de Outubro, mas ainda não liguei a marcar.

Dormidas no Hotel Horus, inclui uma visita ao Santuário de Nossa Senhora da Graça e o passeio de barco da régua ao porto.

Ainda estamos a ponderar, já que praticamente esgotei os dias de férias.

jinhos

Zé do Cão disse...

Boa ideia. Assim não é de ida e volta.
Acho que devemos aproveitar a vida.

Aqui há uns 3 anos convidaram-me para descer o Guadiana, desde o Pomarão (minas de S. Domingos) até V.R. Santo António com almoço a bordo. Lá foi até Evora mais a minha moçoila, todos contentes.
O barco era um dos que antigamente faziam a travessia de V.R.S.A., Ayamonte. Portanto comodo com cadeiras de esplanada de plastico.
O percurso até vila real S.Ant. é entre canaviais do lado portugues e Idem do lado espanhol. O almoço constava de franco assados e sardinhas que eram assados na frente do barco. Apanhavamos com a fumarada desde que iniciaram a abertura do lume até acabar.
Uma musica a tocar em altos berros, até as minhas cuecas cheiravam àquela mistura de sardinhas com frango.
à chegada estava um autocarro à nossa espera para arrancar direitos a Evora outra vez, mas para passear viemos pela Auto Estrada A 2,onde parou para petiscar (os os organizadores ganharem comissão) com desvio em Beja para levar uns "matrecos" dali, e finalmente chegamos a Evora. A explicação é assim, de Evora ao pomoraão também de bus.
Gostei tanto, que a partir daquela data, todos os meses ligo para lá para fazer a mesmissima viagem, mas dizem-me sempre que está esgotado.

NUNCA MAIS LA ME APANHAM.
Agora a tua, aproveita que vais gostar e esses gajos dessas excursões às vezes ainda dão uns presuntos e uma lata de azeite de colsa. (sabes o que é colsa?)
É o azeite que aqui há uns anos envenenou os espanhois. ahahahah..
Beijocas

Zé do Cão disse...

Vou fazer um texto da "Lua de Mel na Madeira".

Era uma figura gira se o empregada do pequeno almoço fosse o Alberto João.

Beijocas

Pascoalita disse...

ahahahahahah

Zé,

Já fui a 2 desses passeios, mas nunca pela Terra Nostra (a empresa do passeio que referi) e não me decepcionei muito. Só não costumo gostar da musica que escolhem, (tipo Quim Barreiros e afins)e tb não vou muito à bola com a "missa cantada" (sessão de vendas, sabes?), mas nada a dizer em relação a tudo o resto. Ambos foram bem fixes!

Vais escrever a cena? Óptimo! ahahahah

jinhos

Laura disse...

Mau, eu dancei com um belissimo rapaz alto, lindo lindo de morrer por ele, ams eu é que não entendia de mecânica nenhuma e ...se entendesse talvez tivesse dado uma ajuda , mas duvido que o fizesse...se fosse agora ! ehhhhhhhhhhhhhh muito a gente brinca com coisas sérias..minha nossa até tremo sentada de tanto me rir e o meu shakita olha-me de solsaio como quem diz; esta tá laró...
Ahhhhhhhhhhhh..gira as explicações dos ninos prá noiva jejuada, mas eles deveriam era ensinar o procedimento correcto para que na proxima noivação na caisse na mesmissima asneira..beijinhos.

Laura disse...

ah, os passeios, gosto mais de ir com amigos e dividiamos o gasoleo, nunca o fiz, mas deve ser um achado, assim come-se e dorme-se onde se quer e volta-se quando apetece e não se tem de ouvir amusica pimba (a mim na me incomoda nadinha té sou capaz de gostar se o quim barreiros for lá ehhh) jinhos

Laura disse...

menina pascoalita; realmente aquele bicho parecido com um touro semrpe tem outro corno do outro lado,senão era só meio cornudo ehhhhh jis ehhhhhhhhhh...

Zé do Cão disse...

Pascoalita.
Um amigo, que já faleceu há 2 anos, andamos a combinar ir a um passeio desses. Ambos para tirar partido do que de melhor eles devem ter.
Nunca fomos porque ele não queria sair de pé da sua casa, tinha vergonha. Só isso já me dava um gozo enorme. O Gajo era rico, homem muito rico grande amigalhaço cá do Zé. Gorou-se. Chegamos só os dois a ir ao Brasil, Barcelona, Tarragona. Lembras-te daqueles portugugeses que foram ao Brasil, salvo erro 6 e foram todos assassinados e enterrados num bar?
Ele há último hora desistiu dessa viagem.

Beijocas

Laura disse...

Ah...se me lembro do rapaz que foi recebido na casa de um deles como se da familia fora e foi capaz de matar a todos e enterraram-nos ainda vivos, isso é do piorio, apre!...mas ot eu amigo foi-se na mesma sendo a hora dele, de uma forma ou de outra, mas, antes assim...ele há o nosso Anjo da guarda que nos muda os planos.jinho

Parisiense disse...

Ainda bem que escapei a ser posta nessa estação de metro......por amazonas como eu tem de estar mais alto , não no subsolo....hihiihihihihi
Nem sei ode é essa estação, mas isso tambem não interessa....ahahahahhaah
Beijokitas

Pascoalita disse...

ahahahah caramba! Claro que me lembro dessa chacina, Zé.

O "Amigo Militão" que os mandou ir e a cena passou-se em Fortaleza! Puxa! Com amigos assim ...

Mas esse, podre de rico, era a "presa ideal". Livrou-se de boa!

jinhos

nina parisiense,

Logo coloco mais algumas fotos da mesma estação. Não são amazonas, mas têm pinta ahahah

jinhos

Laura disse...

com pinta ou sem pinta qual babados cãezinhos cheios de pintas, venham elas..ji.

O Profeta disse...

Frágil e palpitante luz
A beleza é feita de ternos murmúrios
A voz quebra a quietude do silêncio
A chuva leva a terra ao encontro dos rios

Não há fracassos no sonho
Caminhei nas nuvens para te ver do alto
Abri os braços ao relâmpago
Desci à terra, senti nos pés o frio basalto


Vem comigo escolher o caminho


Mágico beijo

L.S. Alves disse...

Bem se vê que em Portugal não se economiza na arte em locais públicos.
Um abraço Pascoalita.