sábado, outubro 10, 2009

Blogagem Colectiva "Na minha terra come-se bem"

Texto com que participei na "Blogagem Colectiva" promovida pela Susana Falhas do Blogue Aldeia da minha vida sobre o tema: "na minha terra come-se bem":

Grelos à pobre"

Na tentativa de escrever sobre gastronomia da minha terra natal, na Beira interior, Concelho de Trancoso, subi ao sótão e remexi no baú das minhas recordações.

Mas para além do excelente pão (mistura de centeio e trigo) que a minha mãe cozia uma vez por semana, do rancho melhorado aos Domingos que quase sempre se traduzia num prato de arroz com feijão cujo agradável sabor ainda guardo na memória, das batatas cozidas com ovos ou bacalhau e da enorme terrina onde nunca faltava sardinha ou chicharro de escabeche, pouco mais há a dizer, a menos que contasse o episódio em que estando na aldeia de férias, me fechei na adega a comer pão com azeitonas e a certa altura tentando encher a enézima malga delas, mergulhei dentro da tina e quase morria afogada eheheh

Mas a gastronomia beirã é muito rica e variada e bastante apreciada e, apesar das minhas curtas estadias, sempre que vou até lá delicio-me com os pratos da região, tanto em restaurantes durante a viagem, como os pratos preparados pela minha sogra, em Marialva, concelho de Mêda.

O cabrito assado em forno de lenha, o famoso coelho bravo na região da Mêda, o excelente queijo de ovelha de Celorico da Beira e arredores, o saboroso presunto, os enchidos, o requeijão feito com o soro que resta após a manufactura do queijo e os vinhos, são apenas alguns exemplos.

Mas porque são as coisas mais simples que quase sempre nos dão mais prazer, uma das iguarias beirãs que mais aprecio e que aprendi a fazer já adulta, com o meu marido, são os "grelos à pobre", um prato que segundo dizem os mais velhos, constituía num passado não muito longínquo, a única refeição diária das famílias da aldeia. Servem-se acompanhados de farinheiro ou moiro cozidos e tostados na sertã e/ou torresmos.


(Imagem da Net)

Ingredientes:

1 molho de grelos de nabo
3 batatas médias
400g de entremeada c/2 dias de sal
1 farinheiro tenro
2 dentes de alho

Modo de fazer:

Arranjam-se os grelos, cortam-se em pedaços de cerca de 3 cm e levam-se a cozer em água abundante c/sal.
Num tacho à parte coze-se o farinheiro (ou moiro) e num outro as batatas. Depois dos grelos cozidos, escorrem-se e bem. Esmagam-se as batatas (com um garfo), junta-se aos grelos e envolve-se tudo. Corta-se o toucinho em tiras, colocam-se numa "sertã" e levam-se ao lume a fritar lentamente, virando de vez em quando até ficarem secos e libertarem toda a gordura. Retiram-se, deixam-se escorrer junta-se os dentes de alho esmagados à banha da fritura e deixam-se alourar. Regam-se os grelos com a banha ainda quente., envolve-se tudo e serve-se com o farinheiro ou moiro e os torresmos.
Bom apetite



21 comentários:

mano disse...

adoro grelos. não são bem á pobre, pois já são bem carinhos. Na minha terra adoctiva ( murtosa- Aveiro) são as célebres enguias e os rojões.Ai que saudades dos que a minha sogra fazia após a matança do porco.

beijinhos

Pascoalita disse...

Ena! O mano carlitos madrugou e pelos vistos também é fã dos pitéus feitos pela sogrinha eheheh

Estamos em pé de igualdade, já que a minha sogra, apesar de ainda se manter entre nós, deixou há já algum tempo de cozinhar.

Pão, Enchidos, Filhós, ninguém fazia melhor. Tenho tantas saudades desses sabores...

Bom fim de semana

jinhos

Parisiense disse...

Ahhhhhh, aqui chama-se moura ou farinheira....
Que mania que vocês tem de pôr tudo no masculino....
Aqui nesta serra o feminino predomina....são chouriças, farinheiras, mouras......ahahahahah

Bem os grelos, são grelos ainda não passaram a grelas....ihhihii

Beijokitas e bom fim de semana.

Teté disse...

Tal como a Parisiense, também sempre ouvi falar em farinheira. Mas chouriço, no masculino. Enfim, cada terra com o seu linguajar, importante é que as gentes se entendam... :)))

Quanto aos "grelos à pobre" pareceu-me uma espécie de esparregado mais "sofisticado", já que o dito só leva farinha, azeite e alho (para além dos grelos, evidentemente). Pelo que entendi, o toucinho também é misturado no preparado, não? Para o enriquecer, quer em termos calóricos, quer como prato único de uma refeição.

Também adoro azeitonas, mas nunca caí numa tina delas. Está-me cá a parecer que a nina também era "fresquinha"... :D

Beijocas e bom Domingo!

Milu disse...

Hum! Vim aqui fazer a minha visitinha e como ainda não almocei fiquei com mais apetite. Tomei nota da receita, pois que me fez luzir o olho, principalmente pela sua simplicidade, já que não gosto de cozinha rebuscada e elaborada!
Um beijinho

Laura disse...

Pouca sorte, almocei mais que bem, e esse é um prato que adoro papar, tão bommmmmmmm...mas, ainda não calhou, faço-o nos meses mais frios, não perdem pla demora que daqui a pouco faço-o pois, aguçaste-me o apetite..beijinhos

Pascoalita disse...

Os "grelos à pobre" ficam com aspecto diferente dos apresentados na imagem.

Logo que haja grelos e faça, prometo colocar a receita de novo, mas com imagem real.

Teté,

Devia ter 17 ou 18 anos, tinha ido passar 15 dias à aldeia. Quando cheguei, havia azeitonas ao cimo da tina, mas como eu devo ser arraçada dos pássaros "tordos" por fim já quase só havia água e tinha de me debruçar para encher a tigela. E foi assim que me vi de cabeça enfiada na tina e se não fosse a minha irmã mais velha acudir-me hoje talvez não estivesse a contar a cena ahahah

Não, o toucinho derrete na frigideira (chama-se sertã na beira) e ficam torresmos. A gordura (banha) que larga é que serve para temperar os grelos. Hummm já comia :)*

Bom resto de domingo

mariabesuga disse...

Abriste-me o apetite para estes grelos à pobre. Já percebi que os da foto não são os certos portanto nem me perdi a olhar muito para eles. Bastou ler a receita e imaginar-me a cozinhá-los... e a comê-los.

Sabes, Pascoalita, eu faço muito a nossa comida à base das receitas que a minha mãe fazia. Éramos muitos lá em casa e a vida era difícil como todos nós sabemos desses tempos.

Faço as migas e açordas e outros comeres, alguns bem simples em termos de confecção mas bem saborosos e sempre apetecíveis. Feijão guisado com massa com ovos escalfados.
Sopa de tomate também com ovos escalfados ou com bacalhau.
Arroz de feijão com pataniscas de bacalhau.

Quase hora de almoço aqui em casa. Uma sopinha que já não temos idade para grandes comezainas. Mas é uma "sopinha de entulho" bem à moda do campo.

Até o meu menino que tem oito aninhos gosta destas comidas assim. E o que ele adora toucinho frito.

Muito bom esta memória dos saberes dos sabores que eu continuo a praticar.

Beijinhos para ti.
Boas comidinhas.

xistosa - (josé torres) disse...

Nem sei se gosto mais com farinheiras, se com alheiras.

O bom deste opíparo manjar são os grelos, o bom azeite e os alhos.

Tenho aqui uma receita que me "obrigam" a fazer muitas vezes.
Desde que haja grelos ...

Agora asso as alheiras, sem a pele, no forno.

Depois misturo aos grelos bem salteados, com alho e pimenta preta moída na altura.

Bom apetite para a semana.

xistosa - (josé torres) disse...

O aqui, ficou cá.
aqui

Jorge Carvalho disse...

Ai o meu colesterol sempre a subir. Eu sei fazer um pudim de ovos. Toma lá a receita:
1 copo de ovos
1 copo igual de açúcar
1 copo igual de leite.

Mistura-se tudo e coloca-se numa forma envolta em caramelo líquido. Depois é só cozer em banho maria.

Eheheheheh. Experimenta. É tão bom!

MOMENTOS MEUS:


Aprendi a conhecer-te,
assim como os pássaros conhecem os seus ninhos,
sem dúvida num voo livre,
que se abre no infinito.
Aprendi a caminhar contigo,
assim como as estrelas respeitam o brilho da lua,
que sabe que como aquela só existe uma única no mundo.
Aprendi a brigar contigo,
assim como as ondas do mar que brigam e se debatem inutilmente,
para depois se transformarem em espuma suave na areia.
Aprendi a entender-te,
assim como as montanhas entendem as nuvens e se esticam como que pedindo chuva para os seus campos secos.
Aprendi a Amar-te,
assim como os pássaros amam a liberdade,
os rios amam as suas águas,
as estrelas amam o céu,
as ondas amam o mar,
as montanhas amam os seus campos.
Aprendi a amar-te como o mais puro e sublime sentimento,
assim como Eu Amo DEUS eternamente.
TAMBÉM TE AMO A TI POR TODA A VIDA!!!
Até à próxima.

Susana disse...

Ai esses grelinhos! Eu gosto deles, mas com muita batata. Uma boa escolha para representar a nossa Beira Alta!

Pascoalita: Tenho andado fora...agora por Belmonte, mas estou de olho na Blogagem! ! E quando quiseres fazer um desvio até Viseu, a minha porta estará aberta, mesmo para peticar e até para pernoitar!

Bjs Susana

Parisiense disse...

Ainda não acabaste de comer esses grelhos todos???????
Tens andado preguiçosa.......ou ocupada com coisas melhores?????

Beijokitas

Antonio Regly disse...

Pascoalita,

Suas palavras deixadas no meu blog muito me emocionaram. Uma das coisas mais bonitas na vida é descobrir que ela é feita de momentos, não importa quais sejam eles.

Um dos momentos mais difíceis, foi também o que aprendi mais e as mais belas coisas: conhecer o outro. Passei quase todo o ano de 2006 internado num hospital. Recebi o apoio e carinho da família, dos amigos, e toda equipe hospitalar, esta, com raras exceções. Até ali nunca tinha visto médico chorar com paciente, ou mesmo ficar ao lado até que houvesse melhora do quadro.
Aprendi a perceber melhor as pessoas. Viver não diz respeito só a mim, mas também ao outro, de sorte que a nossa vida é completada no outro.
Fiquei feliz com suas palavras e obrigado pelas palavras.

Que a nossa blogagem alcance o maior sucesso no quesito: proporcionar novas e grandes amizades.

Abraço do amigo brasileiro,

Antonio

Antonio Regly disse...

Perdoe-me por esquecer de responder a sua pergunta. Sim, a feijoada completa à brasileira é servida com couve, cortada em tiras bem fininhas, a qual dá um toque a mais ao paladar.

Engraçado que eu nunca comi o Virado à Paulista, mesmo sendo brasileiro e estando várias vezes em São Paulo. Aqui no Rio já vi em cardápios mas nunca atinei para experimentar.

Agendei aqui na barriguinha para conhecê-lo numa próxima oportunidade.

Abraço.

Laura disse...

Hum, isso faz-me mal à vesicula, e só depois d eum bom guronsan para precaver, é que vai tudo por aí abaixo, ahhhh, beijinhos.

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Pascoalita & mais malta

Acabei de postar um textículo meu na Minha Travessa, intitulado "O mal e a caramunha". Adivinha(em) sobre quem é... Sobre a «senhora» M. Proença... Se quiseres(em) ter a bondade de lá ir e cumentar (com o) fico à vossa espera. Obrigado.

Qjs & abraços

PSSSSSSSSSSSS!!!!!! Também entrei no Come-se bem...

Flora Maria disse...

Vim, do Aldeia da Minha Vida, atrás da sua receita, mas preciso tradução, pois não reconheci muitas palavras (apesar de falarmos o português !):

grelo=
entremeada=
farinheiro=
moiro=
"sertã"
Apesar disso, deu para perceber que deve ser delicioso !

Beijo

Pascoalita disse...

TRADUÇÃO:

Em especial para a "Flora Maria" que me questionou sobre alguns termos que naturalmente desconhece, já que o nosso pais é bem pequenino e temos "n" nomes para o mesmo objecto eheheh

Grelo= espigo dos nabos e couves (no caso concreto nabos);

Imagem: http://www.loja.jardicentro.pt/images/horticolas/jardicentro_sementes_nabo_greleiro_90_dias.jpg

Entremeada= bacon, carne de porco junto ao couro, contendo uma camada de gordura e alguma febra;

Imagem:

http://www.fumadosdouro.pt/prodimages/39_gr.jpg


Farinheiro/a= enchido feito à base de pão, gorduras e carnes, condimentado com pimentão;

Imagem:

http://freguesiasalvador.cidadevirtual.pt/Farinheira.jpg


Moiro= enchido escuro, semelhante à morcela, à base de sangue, gordura e carnes;

Imagem:
http://images.chron.com/blogs/cookstour/archives/sausage-morcelas.jpg

Sertã=frigideira (termo usado nas Beiras portuguesas)

Imagem:
http://pan.fotovista.com/dev/6/6/00346866/l_00346866.jpg

jinhos

Susana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Susana disse...

Amiga Pascoalita:

Nem penses em pedir desculpas! Não só falas do assunto, como também consegues represntar a nossa região, falando dos melhores produtos da região!

A minha mãe faz os grelos à pobre...eu sinceramente não aprecio com muita batata e faço quando é época deles (agora já há na hortinha dela) , pois a minha cara metade passou a adorar depois que casou comigo...

Bjs Susana