sábado, julho 11, 2009

Soneto "Os meus Amigos"



Amigos, cento e dez, ou talvez mais
Eu já contei. Vaidades que sentia:

Supus que sobre a terra não havia
Mais ditoso mortal entre os mortais!


Amigos, cento e dez, tão serviçais
Tão zelosos das leis da cortesia,

Que já farto de os ver me escapulia
Às suas curvaturas vertebrais.



Um dia adoeci profundamente:
Ceguei. Dos cento e dez houve um somente

Que não desfez os laços quase rotos.

-- Que vamos nós (diziam) lá fazer?
Se ele está cego, não nos pode
ver!...

-- Que cento e dez impávidos marotos.

(Camilo Castelo Branco)


13 comentários:

Laura disse...

É isso, até eu no hospital não tive nenhum e havia dois prometidos, mas, a vida trocou-lhes as voltas...mas que cento e dez impávidos marotos... valeu-me o meu sobrinho que ia lá quase todos os dias...Beijinhos e este Camili é um achado, mesmo nos dias de hoje..beijinhos meus..laura.

Pascoalita disse...

Ora, Laurinha ...

Tiveste AMIGOS no hospital sim. Talvez não de todas as vezes, ou talvez tenha havido uma certa dupla que roeu a corda mas ambas sabemos que estiveste sempre bem acompanhada.

Mas é verdade que este soneto está perfeitamente adequado aos nossos dias. Não é por acaso que o povo diz:

"É no hospital e na cadeia que se conhecem os amigos"

jinhos

Teté disse...

Pois é, Pascoalita, essa de ter muitos amigos quando se está na mó de cima, não quer dizer que eles lá estejam quando passamos para a de baixo.

Amigos? Poucos, mas bons, daqueles que nos acompanham em todos os momentos... :)

Beijocas e boa semana para ti!

Parisiense disse...

Nada mais adequado aos nossos dias.

Amigos poucos, mas bons e verdadeiros...e na doença tu consegues ver quem realamente se preocupa contigo e te estende a mão ou os ouvidos para te ouvir desabafar.

Eu sei o que isso é ....vivi isso á pouco tempo.

E posso dizer-te que fiquei só com aqueles amigos que tenho á muitos anos, porque esses nunca me falharam.....todos os outros foram-se.

Beijokitas

Zé do Cão disse...

Pascoalita

Amigos, amigos, amigos da onça, desses temos por toda a parte.
Tenho sentido bem na pele, certa qualidade de amigos.
Mas...Também os há, verdadeiros, desinteressados e prontos a partilhar. Desses felizmente também tenho muitos.
A Lauirinha referia-se à minha falta. Já me penitenciei e espero poder pagar com juros acrescidos.
Biquinhos, para as duas

Kim disse...

Páscoa pequena - então junta lá mais um aos cento e dez amigos.
Beijinho

Laura disse...

Ah, pascoalita, o mais um é e será sempre um grande amigo..beijinhos.

Rui disse...

Gostei muito de rever este poema! Queria no entanto referir, que no último verso, onde está «cento e dez» deveria estar «cento e nove» para respeitar o autor. De resto, só tenho um comentário: parabéns, e obrigado por este bocadinho!

O Profeta disse...

Ao meu querer!
Dias noites, estações esquecidas
Inventei sonhos para sonhar
Lavei mágoas, dores perdidas

Uma árvore toca as águas da lagoa
O nevoeiro faz desenhos nas cumeeiras
Um Melro negro solta um pio ao acaso
A palavra quero-te diz-se de mil maneiras


Convido-te a ver a Cor da Claridade


Doce beijo

mary90 disse...

Olá Pascoalita.
Estou de volta depois de umas férias ventosas, mas boas!
Amigos verdadeiros quem os tiver que os estime muito bem.

Eu já tive duas provas para certificar os verdadeiros amigos, quando estive no hospital, e quando perdi o emprego, onde estava há 20 anos,no meu caso descobri novos amigos para a vida, é claro que houve dois ou 3 que "roeram" a corda, mas é normal!!!
Eu tenho poucos mas muito bons, e não tenho grandes problemas com os falsos, porque os conheço.:)
Este soneto fala do que aconteceu ao meu pai, quando caiu a uma cama e os amigos a quem ele pagava rodadas de cerveja, deram de frosques...
Ele era daqueles que acreditava em todos, coitado....
Beijocas.

Laura disse...

Nina pascoalita, tão? o passeior endeu tanto que ainda dormes? fogo...Conta, conta, a gete quer sabe rpormenores lugares onde passaste, enfim..beijinhos.

Maria disse...

Pascoalita:
Sou Camiliana convicta. Como escritor era o máximo. Como poeta nam tanto. Há, todavia, dois poemas dele que nunca esquecerei: este que postaste e um outro, escrito quando Teófilo Braga, a quem não falava, perdeu, com poucos dias de diferença, os dois filhos. Chama-se "A maior dor humana"
Não sei se conheces. Por isso aqui vai.

A MAIOR DOR HUMANA

(Na morte quase simultânea dos dois filhos únicos
de Teófilo Braga)

Que imensas agonias se formaram
Sob os olhos de Deus! Sinistra hora
Em que o homem surgiu! Que negra aurora,
Que amargas condições o escravizaram!

As mãos, que um filho amado amortalharam,
Erguidas buscam Deus. A Fé implora…
E o céu que respondeu? As mãos baixaram
Para abraçar a filha morta agora.

Depois, um pai que em trevas vai sonhando,
E apalpa as sombras deles onde os viu
Nascer, florir, morrer!... Desastre infando!

Ao teu abismo, pai, não vão confortos…
És coração que a dor empederniu,
Sepulcro vivo de dois filhos mortos.


Camilo Castelo Branco, Nas trevas.

Beijinhos

日月神教-向左使 disse...

AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,a片,線上遊戲,色情遊戲,日本a片,性愛